26 fevereiro 2017

Carnaval

Que pena,
ter só uma máscara
e não ser coisa fina
ter varinha de condão
e não ser uma rainha!

Reino só no meu castelo
tão simples e tão singelo
mas sei que é o meu paraíso
para mim é o mais belo...

Não anseio ambições
nem procuro ocasiões
vivo o meu dia-dia
sem frescuas nem pretensões...

Tenho o ar que respiro
tenho o sol que me bronzeia
tenho o dia e noite
e um castelo de areia..


4 comentários:

Arthur Claro disse...

Muito bom estes versos.

Arthur Claro
http://www.arthur-claro.blogspot.com

Élys disse...

Gostei! Bonita poesia.
Um abraço.
Élys.

Maria Rodrigues disse...

E tem um maravilhoso dom poético.
Lindo poema
Beijinhos
Maria

CÉU disse...

Olá, estimada amiga Luísa!

Ainda bem k tem só uma máscara, que é o seu rosto e com ele enfrenta o bem e o mal, sem desculpas, mentiras ou hesitações.
Tem tudo o que necessita para ser feliz, pke é na simplicidade k tudo encontramos.
Gosto mto da sua escrita realista e espontânea.

Então, já viveu em Lisboa, os seus nasceram na famosa Maternidade Alfredo da Costa e agora vive em Bragança, que julgo ser uma cidade mto fria, mas o k importa é k se sinta bem consigo e com os outros.

Beijos e um grande fim de semana.